Feira do Livro

Elisa Lucinda faz conferência sobre o poder da palavra na FeliS

Elisa Lucinda narrou histórias de sua vida cotidiana pautada, em especial, na luta contra o racismo

Poesia, música e bom humor deram o tom da conversa com poetisa, jornalista, cantora e atriz Elisa Lucinda em sua conferência “A palavra é poder”, realizada na noite desta terça-feira (14), no Anfiteatro Beto Bittencourt, na Praia Grande.

A palestra integra a programação da 11ª Feira do Livro de São Luís (FeliS) promovida pela Prefeitura de São Luís, com o apoio do Governo do Estado.

Nascida em Vitória (ES), a atriz e escritora, Lucinda narrou várias histórias de sua vida – uma crônica do seu cotidiano pautada, em especial, na luta contra o racismo – e ‘ensinou’, de forma didática, o poder da palavra.

“Com ela (a palavra) podemos desconstruir ou respeitar o cidadão. A palavra é lâmina. É jogo perdido ou jogo ganho. Eu estou aqui por causa dela”, enfatizou ao anunciar que em abril de 2018 volta a São Luís para ministrar uma oficina de ‘Poesia Falada’: “Aqui eu me reconheço. Eu amo o Maranhão”, disse a artista.

Lucinda discorreu ainda sobre o projeto “Versos de Liberdade: cuidando de quem cuida para transformar o futuro de todos e todas”, que contempla socioeducadores e jovens em cumprimento de medidas. “A maior revolução que podemos realizar no Brasil, é a educacional. Não precisamos construir mais presídios”, defendeu ao enfatizar que a falta de educação é um túnel para o mundo do crime.

Lucinda também mostrou todo o seu talento de atriz multifacetada ao cantar a capela a música “Palavras ao vento” dos cantores e compositores Marisa Monte e Moraes Moreira para ratificar e corroborar o seu discurso do poder palavra: “Ando por aí querendo te encontrar, em cada esquina paro em cada olhar, Que o nosso amor pra sempre viva, palavras apenas, palavras pequenas”, palavras que ecoaram em coro uníssono dos presentes, que entenderam o “recado” da atriz: “não dá para mudar o começo. Se a gente quiser, pode mudar o final”, sempre o poder e a política do cotidiano em que todos se ajudam pelo poder da palavra.

Lucinda autora de livros como A Lua que menstrua, Sósia dos sonhos, O Semelhante, Eu te amo e suas estreias, A Menina Transparente, Coleção Amigo Oculto, Contos de Vista, A Fúria da Beleza, Parem de falar mal da rotina, A Dona da Festa e Fernando Pessoa, o Cavaleiro de Nada e Aviso da lua que menstrua, reflete: “Cada palavra dita, antes de dizer, homem, reflita….Sua boca maldita não sabe que cada palavra é ingrediente que vai cair no mesmo planeta panela. Cuidado com cada letra que manda pra ela”, encerrou.

Espaço Criança reúne alunos da educação municipal na 11ª FeliS

A descontração, alegria e encantamento da criançada tem chamado a atenção de quem passa pelo Espaço Criança, montado pela Secretaria de Municipal de Educação (Semed), na 11ª Feira do Livro de São Luís (FeliS).

O evento é uma realização da Prefeitura e Governo do Estado e prossegue até domingo, no Centro Histórico, das 10h às 22h. Nos 10 dias da FeliS, o Espaço da Criança deve receber centenas de alunos da Educação Infantil e Ensino Fundamental da rede municipal, além de estudantes de escolas comunitárias de São Luís e dos municípios de São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa.

Na manhã desta segunda-feira (13), o Espaço Criança recebeu crianças do bairro Desterro, que tiveram a oportunidade de desenhar, pintar e conhecer o mundo mágico da literatura infantil com as contações de histórias das atrizes Renata Figueiredo e Cris Campos, do grupo Xama Teatro.

As atrizes interpretaram contos do livro “Arte e manhas do Jabuti”, do escritor maranhense Wilson Marques.

Aluno da Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Nova Canaã, Wedney Barbosa narrou o encanto pelas histórias, desenhos e pinturas que compõem o espaço.

“Estou feliz. Foi muito bom”, relatou ao lado da coleguinha de escola Ana Lúcia que disse ter sido um momento especial, “Foi um dia muito feliz. Estou muito contente”, disse a menina.

Renata Figueiredo pontuou a importância do trabalho dos contadores de história na Feira do Livro.

“A Feira é um ambiente propício. É um paraíso. O livro, a história e a narrativa são o centro da questão. Crianças interessadas em pegar o livro, ler. Nesse espaço o nosso trabalho cabe feito uma luva”, disse ao relatar a emoção em perceber os olhinhos das crianças brilhando, refletindo e apreendendo novas palavras, nesse trabalho de criação e recriação.

Com muita criatividade, as atrizes prenderam a atenção das crianças, que interagiram com palmas e cantando. Elas se encantaram com a magia das fábulas, músicas e poesias que despertam nas crianças o interesse pelo livro e a leitura. João Victor Oliveira, que ao final do evento ganhou um livro do escritor Wilson Marques decidiu compartilhar com os colegas João Sousa e Cauã Costa. “Esse livro é nosso”, frisou.

A professora e contadora de história Rosângela Teixeira Sousa, da Coordenação do Livro Didático e Infantil da Semed destacou que 40 escolas da Educação Infantil estão agendadas para visitar o local.

“Isto é gratificante nesse momento em que dedicamos a nossa atenção e esforço para criar desde cedo nas crianças o hábito de ler e escrever”, sentenciou.

Programação

A feira terá presença de 23 convidados nacionais, 10 performances poéticas, 60 contações de história, sete espetáculos circenses de rua, sete intervenções artísticas, uma orquestra, nove conferências, palestras, oficinas, minicursos, pockets shows, saraus e musicais.

Ainda na programação, espaço Café Literário, espaço infantil, exposições, vendas de livros e de artigos literários – serão 56 lançamentos de livros.

A estrutura do evento é composta por 22 espaços com atrações, 54 estandes para livreiros, sebos e instituições parceiras, três auditórios para debates e conferências.

Apoio

A FeliS tem como correalizador o Serviço Social do Comércio (Sesc); patrocínio da Vale e Potiguar; e apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema).

Entre as parcerias, Associação dos Livreiros do Estado do Maranhão (Alem), Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e diversos outros apoiadores

Feira do Livro inicia nesta sexta-feira

A identidade racial e de gênero estará no centro dos debates da 11ª edição da Feira do Livro de São Luís (FeliS), que será realizada de 10 a 19 deste mês, das 10h às 22h, na Praia Grande.

A romancista maranhense Maria Firmina dos Reis, referência por quebrar barreiras, se destacar numa área onde homens dominavam e ter marcado em seus escritos a postura antiescravagista, é patrona do evento. Esta edição da feira – realizada pela Prefeitura de São Luís em parceria com o Governo do Estado – vai se concentrar na obra da escritora e outras literaturas de referência afrodescendente.

A FeliS terá 40 estandes de livreiros, 10 espaços para sebos, 10 performances poéticas, sete intervenções artísticas, 60 contações de história, sete espetáculos circenses de rua, uma orquestra e 55 lançamentos de livros.

São esperados mais de 200 mil visitantes e venda de mais de dois milhões de livros, a fim de superar o evento do ano passado. Criada pela Lei Municipal, nº 4. 449/2005, a Feira do Livro de São Luís é ferramenta de fortalecimento da vocação e produção literária maranhense.

Para estimular o consumo literário, será entregue o vale-livro, uma das principais ações da edição. Serão R$ 300 mil reais em recursos a serem destinados aos alunos da rede pública de ensino municipal e estadual.

O passaporte literário, que será disponibilizado pelo Governo, será distribuído na própria escola, a partir de critérios, e poderá ser trocado por livros durante a Feira.

O evento tem parceria da Vale, Sesc, Associação dos Livreiros do Maranhão (Alem), Instituto Federal do Maranhão (IFMA), Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), Federação das Indústrias do Maranhão (FIEMA), Rede de Museus Educadores e Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM).

PROGRAMAÇÃO CULTURAL

Mais de 100 atividades estarão disponíveis na 11ª FeliS, incluindo palestras, teatro, rodas de conversas, exposições, mostras de cinema, sarau e café literário, entre muitas outras atrações.

Um dos destaques, o Espaço Sesc, vai divertir o público, principalmente as crianças, com as contações de histórias, música, dramatizações, dança, pintura de rosto, oficinas, dobraduras, apresentações de projetos das escolas municipais, brincadeiras e jogos educativos e ainda momento de autógrafo com escritores maranhenses.

A programação da FeliS ocorrerá na Casa do Maranhão, Galeria Trapiche, Portugal e Estrela, no Cine Praia Grande, Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Praça Nauro Machado, Escola de Cinema (IEMA), Beco Catarina Mina, estacionamento da Câmara Municipal, auditório da Defensoria Pública do Estado do Maranhão, auditório da Associação Comercial do Maranhão, o Teatro João do Vale, Anfiteatro Beto Bittencourt e Biblioteca Pública Benedito Leite, entre outros.

PATRONA

Maria Firmina dos Reis demonstrou sua afinidade com a escrita ao publicar ‘Úrsula’ em 1859, primeiro romance abolicionista e primeiro escrito por uma mulher negra brasileira.

O romance a consagrou como escritora e também foi o primeiro romance da literatura afro-brasileira, entendida esta como produção de autoria afrodescendente. Em 1887, no auge da campanha abolicionista, a escritora publica o livro ‘A Escrava’, reforçando sua postura antiescravista.

Este ano marca o centenário de morte da maranhense.