Arquivos de Tag: Galeria Trapiche

Arte de desenhar é tema de curso na Galeria Trapiche

Galeria Trapiche sediará curso de desenho

A arte de desenhar é uma habilidade que pode ser desenvolvida e o curso de Desenho Artístico orientado pelo desenhista Jackes Rosean é uma boa oportunidade para isso.

O curso vai acontecer segundas e quartas-feiras, das 14h às 17h, na Galeria Trapiche Santo Ângelo e inicia dia 22 de janeiro. A galeria é um equipamento municipal de cultura e fica localizada na Praia Grande, em frente ao Terminal de Integração.

Os participantes aprenderão técnicas para a elaboração de paisagens e de animais. Cada aluno é responsável por trazer para a sala de aula caderno de desenho, lápis, borracha e estilete. A carga horária é de 72h.

O curso oferece 12 vagas, a inscrição pode ser feita no mesmo dia da abertura e custa R$ 15,00.

O orientador Jackes Rosean é graduado em Artes com Habilitação em Desenho pela Universidade Federal do Maranhão.

Agenda Cultural

A Galeria Trapiche Santo Ângelo é palco do encerramento dos espetáculos do Núcleo Atmosfera, com o tema “Espelhos: uma instalação em movimento”, no dia 28/09 (quinta-feira), às 19h.

Na ocasião, haverá uma intervenção com as personagens Frida, Safira e Ofélia, que são extraídas de diferentes obras que mesclaram em suas composições elementos teatrais, dança e performance.

Os ingressos são R$ 20,00 e meia-entrada R$ 10,00.

IV Festival Internacional de Folclore e Turismo tem parceria da Prefeitura de São Luís

A Prefeitura de São Luís é parceira do IV Festival Internacional de Folclore e Turismo, tem programação até sábado (30). O evento é promovido pela Unesco, tem parceria de secretarias estaduais e o apoio de empresas locais.

A programação conta com apresentações artísticas de Cuba, Polônia, Estados Unidos, Paraguai e Colômbia e as delegações nacionais dos estados do Pará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Ceará, Rio de Janeiro e Maranhão.

Exposição “Acervos” está em cartaz na Galeria Trapiche

Pinturas e esculturas do conjunto de bens que ocupam os prédios e órgãos públicos do município. Essa é a Exposição “Acervos”, que fica em cartaz até 4 de outubro na Galeria Trapiche Santo Ângelo.

Composta por 22 obras dos artistas maranhenses João Carlos Pimentel, Ana Rodrigues, Francisco Moreno, Edson Mondego, Antônio dos Anjos, Marlene Barros, Miguel Veiga, Franssoufer, Telma Lopes, Thiago Martins e Tom Bezerra, a exposição traz a temática sobre a cidade e engloba o acervo oficial adquirido ao longo de 30 anos, aliando arte e história.

As visitas podem ser realizadas de segunda a sexta, das 14h às 19h, na Galeria, localizada na Avenida Vitorino Freire, em frente ao Terminal de Integração da Praia Grande.

Espaço Amei

A programação do Espaço Cultural e Livraria Maranhense Amei desta quinta-feira (28) conta com o ‘Seminário Estadual, Cultura, Educação e Turismo – Desafios para o Século XXI’; lançamento do livro ‘Agora eu conto’, de Arquimedes Viegas Vale.

No sábado (30), vai ter o Seminário Estadual, Cultura, Educação e Turismo – Desafios para o Século XXI; o 20º Sarau de Athenas com a palestra ‘Projeto PensAtivamente: Educando em Verso e Prosa’ e apresentação da professora e jornalista Sandra Almeida e depois música e poesia, na coordenação do Dr. João Bentivi.

Para fechar o dia acontece a apresentação musical ‘Hino à Ilha do Amor’ com Teresinha de Jesus Rocha Braga e Clayber Rocha Braga.

O lançamento do livro ‘Receitas da Vovó Lourdes’, de Maria de Lourdes Mota Serra,será terça-feira (3).

 

Galeria Trapiche estreia exposição “Inquietude Suspensa” com obras feitas em monotipia

 

Nesta quinta-feira (3), estreia a exposição “Inquietude Suspensa”, da artista plástica Mozileide Neri (RJ) na Galeria Trapiche Santo Ângelo, equipamento cultural da Prefeitura de São Luís.

O projeto tem o intuito de evidenciar o resgate da memória e sensibilidade criativa nos processos manuais de estamparia de tecidos. A exposição apresenta uma série de 15 obras e tem classificação indicativa livre.

As visitações podem ser feitas de segunda a sexta, das 14h às 19h, na Galeria, que fica localizada na Avenida Vitorino Freire, S/N – Praia Grande, em frente ao Terminal de Integração.

Prefeitura apoia projeto de literatura em equipamentos culturais de São Luís

Com apoio da Secretaria
Municipal de Cultura (Secult), o projeto Literatura Mútua realiza nesta semana
mais duas edições, tendo como convidadas as escritoras Aurora da Graça, autora
da coletânea “O Tempo Guardado das Pequenas Felicidades” (2009) e
Sabryna Mendes, autora do romance “Cafés Amargos”.
A primeira fala na
quarta-feira (15), às 19h30, na Galeria Trapiche Santo Ângelo; a segunda na
sexta-feira (17), às 15h, na Biblioteca Municipal José Sarney.
A Galeria Trapiche
Santo Ângelo está localizada na Avenida Vitorino Freire, em frente ao Terminal
de Integração da Praia Grande. A Biblioteca Municipal José Sarney está situada
na Rua do Correio, s/n, no Bairro de Fátima.
“A Literatura é
uma das áreas da cultura de natureza interdisciplinar porque dialoga com cinema,
artes visuais, música, entre outras linguagens. Iniciativas como essa se tornam
referência para que a sociedade civil movimente os equipamentos culturais em
parceria com o poder público”, destacou o secretário municipal de cultura,
Marlon Botão.
O Literatura Mútua está
em sua décima quarta edição. O projeto, idealizado pela jornalista Talita
Guimarães, tem levado ao público dos equipamentos culturais da Prefeitura de
São Luís o diálogo e troca de experiências sobre leitura e literatura.
ESCRITORAS
CONVIDADAS

Professora e
bibliotecária, Aurora da Graça tem sua poesia fortemente marcada por uma
conjunção de imagens e sentimentos. Na coletânea “O Tempo Guardado das
Pequenas Felicidades” (2009) é possível conferir a reunião revisada dos
três primeiros livros da autora – “Cavalo Dourado” (1977), “Nó
de Brilho” (1981) e “Memória da Paixão” (1987) – à sua poesia
inédita.
A poetisa maranhense
chegou a trocar correspondências com Carlos Drummond de Andrade e Clarice
Lispector, como destaca Talita Guimarães. “Recentemente, o biógrafo
estadunidense Benjamin Moser divulgou a última carta escrita por Clarice
Lispector em 1977 relatando uma possível vinda ao Maranhão. 
A cópia da mesma
carta já havia sido publicada na edição de O Tempo Guardado das Pequenas
Felicidades, atestando que a destinatária mencionada é a Aurora”, pontuou
a jornalista.
A convidada do
bate-papo na sexta-feira (17) será a autora Sabryna Mendes, que é natural de
Itapecuru-Mirim (MA) e residente em São Luís há 7 anos. Estudante de
Comunicação Social – Jornalismo na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), é
vencedora do 35° Concurso Cidade de São Luís na categoria Romance (Prêmio
Aluízio Azevedo) com o livro “Cafés Amargos”.
PROJETO

Projeto literário sem
fins lucrativos, idealizado pela escritora e jornalista Talita Guimarães, que
visa reunir escritores contemporâneos publicados ou não, em rodas de conversa
mensais sobre experiências de leitura e escrita.

Já compartilharam suas
experiências com o projeto o poeta Felipe Castro (MA), a romancista Sabryna
Mendes (MA), o cronista Jônatas (MA), a dramaturga Júlia Emília (MA), o
fenômeno literário Thalita Rebouças (RJ), o expoente da Literatura Marginal
Ferréz (SP), a jovem Duda Veloso (MA), o dramaturgo Igor Nascimento (MA), o
cronista Gustavo Lacombe (RJ), o jornalista Zema Ribeiro (MA) e a poetisa Manu
Marques Barbosa (MA).

Prefeitura promove oficina de máscaras carnavalescas na Galeria Trapiche

Como ação integrante da
exposição “Carne de Carnaval’ que reúne telas e instalações inspirados na
cultura popular, o artista plástico Ciro Falcão promoverá oficina de confecção
de máscaras carnavalescas na Galeria Trapiche Santo Ângelo, equipamento
cultural da Prefeitura de São Luís, nesta quinta-feira (23), no horário das 14h
às 17h.
A oficina é aberta para
a toda a comunidade. “Esta é uma ação de fomento às Artes Visuais relacionada
com o trabalho do Ciro. Já temos confirmada a participação de 20 estudantes da
rede pública e convidamos também a quem estiver interessado para participar
conosco desse momento lúdico”, disse a diretora da Galeria Trapiche,
Camila Grimaldi.
Os interessados deverão
levar jornais velhos para confecção das máscaras e será cobrada uma taxa
simbólica no valor de R$ 5,00 (cinco reais) para compra de materiais da
oficina.
“As máscaras
representam um simbolismo forte do Carnaval. Nós vamos produzi-las com a
técnica de papel machê, que é bem simples e fácil, além de ser um produto
reciclável”, pontuou Ciro Falcão.
Na próxima
quinta-feira, 2 de março, está agendada na Galeria Trapiche uma segunda edição
da oficina de máscaras, no horário da manhã, com a artista Kátia Castro.
EXPOSIÇÃO
Em cartaz até o dia 10
de março, a mostra “Carne de Carnaval” reúne 15 obras do artista Ciro
Falcão. São pinturas a óleo sobre tela e acrílico que abordam a temática da
cultura maranhense e festas populares carnavalescas.
Ciro Falcão é artista
premiado e reconhecido na história das artes visuais do Maranhão. Recentemente,
integrou o grupo de artistas que foram entrevistados para a primeira parte do
projeto “Arte Maranhão”, uma série de 39 filmes que vai mapear a
história das artes plásticas maranhenses dos últimos 70 anos, sob a direção do
cineasta Beto Matuck e iniciativa do Museu da Memória Audiovisual do Maranhão.
O vídeo pode ser conferido no Youtube como “Arte Maranhão – Ciro
Falcão”.
A Galeria Trapiche
Santo Ângelo fica localizada na Avenida Senador Vitorino Freire, em frente ao
Terminal de Integração, com horário de visitação das 9h às 19h.
Excepcionalmente, no período de 25 de fevereiro a 1º de março, o equipamento
cultural ficará fechado pelo feriado de Carnaval, retornando no dia 2 de março.

Galeria Trapiche promove segunda etapa de Oficina de Azulejos

Dentre os muitos
adjetivos atribuídos à São Luís, a capital maranhense é conhecida também como a
Cidade dos Azulejos por conta da azulejaria que reveste os casarões históricos,
uma característica peculiar da cidade.
Como forma de preservar
esta riqueza, a Galeria Trapiche promove de 28 de novembro a 2 de dezembro, na
Universidade Federal do Maranhão (UFMA) a segunda etapa da Oficina de Azulejos.
A primeira etapa da
oficina aconteceu em outubro na sede da Galeria Trapiche e abordou desde o
feitio do molde em gesso, com uma matriz de argila, EVA ou isopor, até a
impressão de azulejos em relevo com argila fresca.
“A oficina tem uma
parceria com a Universidade Federal do Maranhão e nesta etapa será feita a
queima das peças no forno, por isso será realizada na UFMA. O foco da produção
são os azulejos em relevo. O processo será finalizado com a cozedura do
biscoito cerâmico e, consequentemente, com uma segunda cozedura para o esmalte
vítreo”, explicou a diretora da Galeria, Camila Grimaldi.
A oficina é ministrada
por Paulo Cesar Alves de Carvalho e Romana Maria. Após o término do workshop,
os exemplares de azulejos produzidos formarão um mural na parte externa da
Galeria que ficará em exposição permanente a artistas e visitantes.
Na primeira etapa 15
pessoas participaram, entre eles o arte-educador Valmir Cruz.
“Foi uma
forma que encontrei de me aperfeiçoar na área e penso em seguir o campo de
formação nisto”.
A capital maranhense é
uma das cidades brasileiras com maior predominância desses exemplares do
período colonial e imperial. Cerca de 423 imóveis possuem azulejos históricos –
espalhados por 220 hectares do Centro Histórico de São Luís -, importados de
cidades como Inglaterra, Bélgica, França, Alemanha, Espanha, Holanda e
Portugal, sendo a maioria de procedência portuguesa e de padrão estampilha.

Galeria Trapiche abre vagas para oficina de olaria

Se expressar através da arte e ainda
ganhar uma renda extra é a proposta da oficina de Olaria em Formas de Objetos
promovida pela Galeria Trapiche de 25 a 29 de julho.

O workshop faz parte do projeto
Ateliê Trapiche e acontece das 15h às 18h na sede da Galeria, localizada na
Avenida Senador Vitorino Freire, s/n – Centro (em frente ao Terminal de
Integração da Praia Grande).
As inscrições são gratuitas e estão
disponibilizadas 12 vagas que serão preenchidas por ordem de inscrição.
O minicurso será ministrado por Uiran
Oliveira e podem participar qualquer pessoa a partir de 14 anos, tendo
experiência com Olaria ou não, totalizando 12 horas para aprender ou exercitar
as habilidades com argila.
Os interessados podem se inscrever
pelo email: galeriatrapicheslz@gmail.com com os
seguintes dados: nome completo, idade, telefone.

O material será disponibilizado pela Galeria
e os participantes levam suas peças produzidas para casa ao final do curso.

A diretora da Galeria, Camila
Grimaldi destacou que o projeto movimentará a Galeria e aproximar o público
desse meio. “Desde o começo do ano, nós nos comprometemos a realizar
atividades que dinamizem a Galeria. A ideia é mostrar que este lugar está para
ser habitado, queremos trazer pessoas para fazer parte deste ambiente, não só
vir para apreciar uma exposição, mas que seja um ponto de encontro de artistas
e que estes desenvolvam seus trabalhos aqui”.
PERFIL
Uiran Oliveira trabalha há 25 anos
com argila e sempre desenvolveu um trabalho mais voltado ao social, envolvendo
a comunidade. Foi professor de cerâmica do Centro de Arte Japiaçu (CAJ) durante
12 anos e lá explanou o projeto Oficinas de Criação, com exposições em vários
locais como a Casa do Maranhão, Morada Histórica, Sesc Deodoro, entre outros.
Também no Sesc, deu início ao projeto
“Mãos que Transformam” de arte educação inclusiva, com alunos cegos –
realizou três exposições individuais, “Terroada” – 2003, “Com
Tato Visual” – 2004 e “Noturno: Passaredo e Formas” – 2009.
Recebeu por três vezes premiação no
Concurso de Arte Efêmera da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Já
participou na Europa de duas feiras internacionais (2001/2002 – Milão, na
Itália e 2005/2006 – Hamburgo e Frankfurt, na Alemanha).
Atualmente desenvolve a função de
Coordenador de Montagem da Galeria Trapiche e fará na Feira do Livro a
exposição “Sonhando Crianças” com trabalhos desenvolvidos na
comunidade do bairro Novo Angelim.
ATIVIDADES
O “Ateliê Trapiche” já
realizou este ano diversas ações, como a Oficina de Desenhos em Quadrinhos e o
site Specific de Crouchê que fará em breve nova chamada – trata-se de um
projeto colaborativo de criação e troca artística de “arte ambiente”
que modifica a paisagem ao redor de modo permanente ou temporário.
A Galeria Trapiche Santo Ângelo está
aberta ao público para visitação de segunda a sexta, no horário de 9h às 12h e
de 14h às 19h.
As visitas para grupos também podem
ser agendadas para serem acompanhadas por um monitor – nas segundas, quartas e
sextas.

Prefeitura de São Luís prorroga as inscrições para o Prêmio Ateliê 2016

A Galeria Trapiche Santo Ângelo, equipamento cultural
da Prefeitura de São Luís, prorrogou até esta sexta-feira (27), o período de
inscrição para a chamada pública do Prêmio Ateliê.
O certame visa selecionar 10 trabalhos artísticos, no
segmento das artes visuais, produzidos por estudantes, regularmente
matriculados em instituições de ensino fundamental e médio da capital
maranhense. A obra premiada receberá o valor de R$ 2.500, sendo R$ 1.000 para o
professor/orientador e R$ 1.500 para o artista/aprendiz.
FORMULÁRIO

Os interessados poderão se inscrever gratuitamente, de
segunda a sexta-feira, no horário das 14h às 18h, na Galeria Trapiche Santo
Ângelo (Avenida Vitorino Freire, s/n, Praia Grande).
Para participar, basta preencher o Formulário de
Cadastro de Proposta de Pessoa Física (Anexo I, do edital), anexar toda
documentação exigida e enviar portfólio, fotos/vídeos e texto conceitual ou
descrição do processo educativo da obra para o e-mail: galeriatrapicheslz@gmail.com
A chamada
pública está disponível no portal da Prefeitura (www.saoluis.ma.gov.br).

Poeta Fernando Abreu lança “Manual de Pintura Rupestre” na Galeria Trapiche

Poeta Fernando Abreu
A
noite desta terça-feira (15) será dedicada a poesia, em comemoração nacional ao
Dia da Poesia. O poeta Fernando Abreu lança, às 18h30, na Galeria Trapiche
Santo Ângelo, equipamento cultural da Prefeitura de São Luís, o seu mais
recente livro, Manual de Pintura Rupestre, com sessão de autógrafos e recital.
Durante o lançamento, o poeta se une aos amigos Marcos
Magah e Erivaldo Gomes para formar a banda Mamutes Cibernéticos e vão
interpretar poemas do livro. Para ele, a canção popular brasileira é uma das
mais fortes do mundo, e um excelente suporte para a criação poética.
“Boa
parte da criação poética do país se encontra nos discos tanto quanto nos
livros, desde pelo menos a década de 1960. Me sinto à vontade em ser um artista
da literatura que dialoga em pé de igualdade com os poetas da música”,
afirma Fernando Abreu, que também toca violão e estudou piano clássico por
cinco anos.
NOVA FASE
O livro traz 34 poemas numa linguagem coloquial
próxima à prosa, sEem métrica ou rima. Essa é a principal diferença em relação
aos três livros anteriores do poeta, que não vê sua nova fase como ruptura, mas
como desdobramento natural de sua produção. “Senti a necessidade de uma
fala mais direta, e os poemas começaram a vir dessa forma, abrindo espaço para
uma comunicação mais aberta com o leitor”, pontuou Fernando.

Com seu novo livro, Fernando Abreu diz que espera ter
colocado mais um tijolo em uma obra construída sem pressa e pautada pela
subjetividade. “É sempre de dentro pra fora, não dá pra construir algo
exterior às suas necessidades, por mais que isso possa agradar. Em poesia não
dá pra jogar pra torcida”, avisa.